sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Cuzco, umbigo do mundo - Peru (parte II)

Plaza de Armas à noite



Pedra dos 12 ângulos, na Calle Hatum Rumiyocque, 
que aparece no filme 'Diários de Motocicleta'

Cuzco é uma cidade apaixonante. Chamada pelos incas de 'o umbigo do mundo', Cuzco foi o centro político, administrativo e cultural do Império Inca. Nosotros tivemos cinco dias para desfrutar das maravilhas que os incas construíram e esse lugar continua na nossa lista, pois pretendemos voltar. Estivemos no Peru/Bolívia em julho de 2010 e durante 15 dias mochilamos por esses dois países encantadores.



Fonte da Plaza de Armas

Dica: Se você estiver indo direto para Cuzco, o melhor é se preparar para enfrentar o mal da altitude. Se chegar pelo aeroporto de Lima, já procure uma farmácia para comprar a soroche pills que ajuda a evitar o mal estar...comece a tomar em Lima mesmo....outra coisa, tome chá de coca que também ajuda a minimizar o efeito da altitude.

Dica II: Experimente o sorvete de algarrobina e o risoto de quinoa, são deliciosos!

O que fazer em Cuzco? Andar, andar e andar! :)

Para conhecer os sítios arqueológicos e museus de Cuzco, é preciso comprar um boleto turístico da cidade. Ele vale durante 10 dias, a partir da data de expedição e permite a entrada em 16 atrações turísticas na cidade de Cusco e nos arredores, na região conhecida como Vale Sagrado. Nós compramos e podemos dizer que vale a pena! A seguir, um breve relato dos lugares que conhecemos em Cuzco.


Plaza de Armas fotografada do alto de Saqsaihuaman


  • Plaza de Armas: o lugar mais democrático da cidade. A bela praça cusquenha é toda rodeada de construções coloniais, com os famosos balcões, que são "varandas" de madeira, onde as mulheres "se escondiam" para observar o movimento da rua na época da "colonização" espanhola. Em torno da praça e nas ruas vizinhas estão os principais restaurantes, agências de viagens, lojas, o escritório oficial de turismo, casas de câmbio, barzinhos e cafés; é o centro do agito. Leve seu vinho ou cerveja e destine algumas horas para apreciar a paisagem nessa linda praça à noite ou de dia.

    Saqsayhuaman, fortaleza nos arredores de Cuzco
  • Saqsaihuaman: os guias turísticos dizem que essa espécie de fortaleza foi construída originalmente com propósitos militares. A fortaleza, no alto das colinas que cercam Cuzco, era estratégica para combater invasores que ameaçavam o Império Inca. Apenas 20% do conjunto arqueológico pode ser visitado atualmente, pois os espanhóis destruíram grande parte de seus muros para construir casas e igrejas em Cuzco. Para chegar lá, existe um passeio de ônibus que te leva em vários pontos turísticos, incluindo Saqsaihuaman e o Qoricancha.


Qoricancha, o cercado dourado

  • Igreja de Santo Domingo e Qoricancha: a igreja e o convento de Santo Domingo foram construídos no local onde se situava o mais espetacular templo inca, o Qoricancha, dedicado ao culto do deus-sol. A visita é particularmente interessante, pois permite observar várias paredes originais incas, que foram aproveitadas na obra. De acordo com nosso guia, apenas a base da igreja, construída sobre o templo inca, resistiu a um terremoto que destruiu várias construções em Cuzco. Q'orikancha significa 'cercado dourado'. Ganhou esse nome por conta da grande quantidade de ouro que existia nesse templo: reza a lenda que as paredes eram revestidas de ouro e pedras preciosas; o jardim tinha estátuas de ouro e prata em tamanho natural de animais, árvores locais e pés de milho. Corpos mumificados de incas nobres eram mantidos ali para cerimônias. Os tesouros do templo foram tomados logo após a chegada dos invasores espanhóis. Segundo a história, os espanhóis ficaram "loucos" com a quantidade de ouro que existia nesse templo, o que fez com que ele fosse totalmente saqueado e destruído para ali depois ser construída a igreja e o convento. É um lugar sensacional, vale a pena visitar.




Meninas com a roupa típica das cuzquenhas e os carneirinhos



  • Museo de Arte Religioso: funciona no palácio do arcebispo de Cusco, foi construído aproveitando as paredes do palácio do Inca Roca, que fazia parte do antigo conjunto monumental incaico no centro da cidade de Cusco. Seu acervo é composto pelo melhor da arte religiosa cusquenha: móveis e peças religiosas espalhadas pelas salas bem decoradas do palácio. Nós gostamos, mas é um exemplo da imposição cultural que os indígenas sofreram por parte dos espanhóis.



Museu Inka



  • Museo Inka: é conhecido também como Museu da Casa del Almirante, pois está instalado num casarão colonial do século XVII que pertenceu ao almirante Francisco Alderete Maldonado. Confesso que não gostei tanto quanto os museus no sítio arqueológico de Tihuanaco, na Bolívia.


Igreja de San Blás, com muitas obras de arte 



  • Museo de Arte Precolombino: funciona no palacete colonial de Alonso Díaz, erguido sobre uma construção inca. O museu apresenta peças de arte e objetos, não apenas da cultura incaica da região de Cusco, mas de diversas culturas pré-colombianas, com salas temáticas sobre as civilizações Nazca, Huari, Moche, Chancay e Chimú.Plaza de las Nazarenas, Cusco, Peru.



  • Plaza San Blás: fica no alto de uma ladeira, a Cuesta de San Blás, que desemboca numa pracinha bem charmosa. Construída no século XVI, é a mais antiga igreja de Cusco, erguida onde anteriormente existia um templo inca dedicado a Illapa, o deus do trovão. Seu fabuloso púlpito foi esculpido em cedro por artistas nativos.



Provando a comida do mercado

  • Mercado de Cuzco: é um mercado interessante, mas não muito frequentado por turistas. Roupas, frutas, verduras e comida pronta você pode encontrar lá. Almoçamos num restaurante frequentado apenas por peruanos e foi ótimo. A comida era deliciosa, apesar do desconforto para sentar numa espécie de arquibancada que eles montam para as pessoas apoiarem os pratos e se sentarem.


Mercado de Cuzco, diferentes espécies de milho





Leia mais:


*Todas as fotos são de Neblina Orrico/Ruthiere Carrijo. Peça autorização para usar. Obrigado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário