sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Conhecendo Brasília - Esplanada dos Ministérios


Na Praça dos Três Poderes
Nós moramos em Brasília e queremos dividir com vocês dicas dessa cidade tão diferente. Por isso, vamos inaugurar aqui uma série sobre Brasília, nossa capital.

Ao contrário do que muitos pensam, Brasília tem muito a oferecer. É uma cidade linda, organizada, cheia de obras de arte ao ar livre, como os palácios de Niemeyer e os traçados de Lúcio Costa. A melhor época para conhecer a cidade é no inverno, nos meses da seca. Nessa época, o céu de Brasília é atração à parte.

Nossa primeira parada é a Esplanada dos Ministérios. Como o nome indica, a Esplanada dos Ministérios abriga 17 prédios idênticos onde funcionam os órgãos do Executivo federal. Os edifícios, que ficam em lados opostos no Eixo Monumental, são separados por um grande gramado, onde acontecem shows e eventos.

Ao fundo está o Congresso Nacional e a Praça dos Três Poderes. Nesse ponto do Eixo Monumental é possível visitar, de graça, o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto, o Supremo Tribunal Federal, a Praça dos Três Poderes, a Catedral, o Museu da República, a Biblioteca Nacional e o Teatro Nacional. Vale a pena deixar um dia inteiro para conhecer todos esses lugares.

Foto de André Côrrea: Palácio do Congresso Nacional

Palácio do Congresso Nacional
Foto de Gerdan Wesley: Congresso Nacional
O Congresso Nacional é bonito por fora e por dentro. Depois da foto clássica, mostrando o prédio em formato de H, com a bacia voltada pra baixo (Senado Federal) e a bacia voltada pra cima (Câmara dos Deputados), o visitante pode entrar pela famosa rampa do Congresso até o Salão Negro. De lá, saem visitas guiadas todos os dias, inclusive aos sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 17h, sem interrupções, a cada 30 minutos. Para quem gosta de história, o passeio guiado é super legal. Guias levam o
visitante pelos principais pontos do Congresso. Durante o percurso, é possível conhecer mais sobre a arquitetura do Palácio, a história, o papel, a estrutura e o funcionamento do Legislativo no Brasil. Os dois Plenários, onde ocorrem as votações, também podem ser visitados. Para vê-los em pleno funcionamento, escolha a parte da tarde para o passeio, a partir das 14h, com exceção para sexta-feira, quando a sessão funciona a partir das 9h. Para visitas individuais ou pequenos grupos não é necessário agendamento prévio. Chegando ao Salão Negro, basta esperar o início da próxima visita guiada.


Palácio do Planalto
Da Praça dos Três Poderes, você pode ver o Palácio do Planalto por fora, de frente. Para conhecer o interior do Palácio, é preciso se programar. Ele fica aberto ao público somente aos domingos, das 9h30 às 14h. Grupos de 30 pessoas, formados por ordem de chegada, são acompanhados por um Relações Públicas, que explica a estrutura arquitetônica do Planalto, seu conteúdo histórico e as obras de arte que compõe a ambientação do Palácio. É super bonito, com obras de arte de grandes artistas brasileiros como Di Cavalcanti, além, é claro, do sensacional desenho interno do Palácio.

Foto de Gerdan Wesley: vista noturna do Palácio do Planalto


Supremo Tribunal Federal
Supremo Tribunal Federal com a Justiça, de Alfredo Ceschiatti
Do lado direito da Praça dos Tres Poderes, fica o Supremo Tribunal Federal. Qualquer cidadão pode visitar o STF, órgão máximo do Poder Judiciário, durante a semana ou aos fins de semana. Às quartas e quintas, das 14h às 18h, acontecem as sessões do Supremo, que são públicas. Para conhecer o plenário “por dentro” nos dias de sessão, é preciso seguir um "dress code": traje formal para homens e mulheres – terno e gravata / saia e blaser – e documento de identificação oficial com foto. A visita guiada dura cerca de 50 minutos. Móveis antigos, obras de arte e toda a pompa do órgão máximo do judiciário. É super bonito, vale a pena.


Praça dos Três Poderes
Praça dos Três Poderes  
Essas palmeiras ficam na frente da Praça dos Três Poderes,
ao lado do Congresso Nacional
Essa praça é linda. Tipicamente brasiliense, com muito concreto e nenhuma árvore, representa o encontro e a harmonia dos três Poderes. De um lado, o STF. De outro, o Palácio do Planalto. Na frente, o Congresso Nacional. Quem mora em Brasília, sabe que ela já foi point da galera que gostava de tocar violão e tomar um vinho admirando a lua no céu estrelado da capital. As atrações: Na frente do STF, você encontra a estátua da Justiça - escultura de Alfredo Ceschiatti; o pombal que parece um pregador, mas que na verdade é uma escultura de Niemeyer, em concreto; As esculturas Os Guerreiros (chamada também de Os Candangos), de Bruno Giorgi; a Pira da Pátria e o Marco Brasília, em homenagem ao ato da Unesco que considerou a cidade Patrimônio Cultural da Humanidade. Também temos o Museu Histórico de Brasília, em cuja fachada se pode admirar uma escultura da cabeça de Juscelino Kubitschek; o Mastro da Bandeira e o Panteão da Pátria. Na mesma praça, fica o Espaço Lúcio Costa, no subterrâneo, que mostra uma maquete de Brasília com 179m², mas, que infelizmente, está fechado para reformas que nunca acabam.





Catedral Metropolitana
A Catedral de Brasília oferece um guia de visitação interessante que pode ser acessado pelo seu celular para te guiar com mais precisão: http://catedral.org.br/guia
Foto de Gerdan Wesley: A Catedral e os evangelistas
Projetada por Niemeyer, a Catedral foi o primeiro monumento a começar a ser construído em Brasilia. Apesar de ter sido iniciada antes, a inauguração de fato aconteceu apenas em 31 de maio de 1970. Na frente da Catedral você verá quatro esculturas em bronze com três metros de altura, representando os evangelistas.

Além dos impressionantes vitrais italianos, dentro da Catedral é possível admirar três enormes e lindos anjos com mais de 2 metros cada. O próprio Niemeyer define: “Pensei que a catedral pudesse refletir, como uma grande escultura, uma ideia religiosa, um momento de oração, por exemplo. Projetei-a circular, com colunas curvas, que se elevam para o céu, como um gesto de reclamo e comunicação.” (trecho retirado daqui)

O batistério da Catedral em forma ovoide teve em suas paredes o painel em lajotas cerâmicas pintadas em 1977 por Athos Bulcão. O campanário composto por quatro grandes sinos, doado pela Espanha, completa o conjunto arquitetônico.

Outras atrações são o altar, doado pelo papa Paulo VI e a imagem da padroeira Nossa Senhora Aparecida, uma réplica da original que se encontra em Aparecida – São Paulo. Os visitantes também poderão admirar a via sacra de Di Cavalcanti e um pilar com passagens da vida de Maria, mãe de Jesus, pintados por Athos Bulcão.

Complexo Cultural da República




Espaço destinado a promover eventos culturais. Composto pelo Museu Nacional, a Biblioteca Nacional e uma praça gigantesca de concreto, com 91 mil m². Exposições e shows acontecem ali, ao ar livre.

Museu Nacional 
O museu e espelho d'água
Também chamado de Museu da República, já virou referência pelos shows, mostra de filmes, teatro, seminários e exposições que oferece, principalmente aos fins de semana. Com desenho ousado de Niemeyer, o Museu da República é como uma grande bacia voltada para baixo, em formato de cúpula.







Biblioteca Nacional
Biblioteca Nacional


A Biblioteca Nacional de Brasília também é uma obra de Niemeyer. Integra o Complexo Cultural da República e recebe os visitantes de segunda a sexta-feira das 8h às 19h45. Aos sábados e domingos, funciona das 12h30 às 18h30. Confesso que nunca entrei dentro da biblioteca, mas sei que é possível estudar ali e pegar livros emprestados.
















Teatro  Nacional
O Teatro Nacional Claudio Santoro fica perto da Rodoviária do Plano Piloto. É em formato de pirâmide, sem o topo, como uma pirâmide asteca - também chamada de "tronco de pirâmide". Todo branco, o teatro tem cubos brancos de diferentes tamanhos nas paredes norte e sul, todos desenhados por Athos Bulcão. Na elaboração do projeto, Niemeyer teve a colaboração do pintor, cenógrafo e técnico de teatro, o italiano Aldo Calvo. Além do seu desenho diferente, o teatro tem algumas obras de arte expostas que podem ser visitadas mesmo que você não vá ali para assistir algum espetáculo. Uma dessas obras é a contorcionista, escultura em bronze que fica no foyer da Sala Villa-Lobos. Obra de Alfredo Ceschiatti, o mesmo que fez a estátua da justiça em frente ao STF e os anjos da Catedral. O pássaro é outra obra que pode ser vista e fotografada no Teatro. Obra de Mariane Peretti, a escultura de bronze fica à esquerda de quem entra no foyer da Villa-Lobos. Vale a pena conhecer o Teatro Nacional é super bonito. Geralmente, às terças-feiras tem apresentação gratuita da Orquestra Sinfônica de Brasília. Confira a programação no site do teatro.



O céu de Brasília. Ah, o céu! 


*As fotos que não estão identificadas foram tiradas por Neblina Orrico/Ruthiere Carrijo. Peça, antes de usar.


Leia mais: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário