segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

"Rolezinho" na Chapada Diamantina - dicas do que ver e fazer no Vale do Capão


Para ver a Cachoeira da Fumaça é assim: você deitado no vazio
Esse post é daqueles que merece inúmeras fotos. Muitas, muitas mesmo! Tudo para mostrar que a Chapada Diamantina, na Bahia, vale uma visita. Uma só não. Várias. Porque você não vai dar conta de conhecer tudo de uma só vez.

O lago que se forma com a água que consegue chegar lá embaixo
Com mais de 38 mil km² de extensão, a Chapada Diamantina guarda tesouros preciosos para quem gosta de fazer trekking, tomar banho de cachoeira, se aventurar na mata, conhecer grutas, visitar cidades históricas e até mesmo só relaxar e curtir a energia que emana dos fantásticos paredões de pedra.

Outro ângulo para ver a Cachoeira da Fumaça
Nós passamos o último Ano Novo (virada de 2013 para 2014) no Vale do Capão, vilarejo bem alternativo que pertence ao município de Palmeiras, distante 445 km de Salvador. Foi sensacional.

Tivemos o privilégio de ficar hospedados na casa de amigos, o que tornou a nossa estadia uma atração à parte. Além disso, recebemos dicas fresquinhas de lugares para comer, passeios, além da acolhida que foi pra lá de especial.

Pudemos visitar a famosa Cachoeira da Fumaça (380 metros de queda livre), a segunda maior queda d'água do Brasil, fazendo uma trilha que tem 12 km no total.

Apesar da indicação da associação de guias, não achei necessária a contratação de um guia para ir à Cachoeira. A trilha é razoavelmente bem demarcada. Não desanime no início com uma subida pesada - forte mesmo - pois, logo depois, a trilha segue razoavelmente plana. Nós fomos com um guia, mas vi que a maioria das pessoas estava fazendo a trilha por conta própria.

Lá em cima, no ponto final da trilha, se debruçar em uma pedra que flutua sobre o Vale da Fumaça e avistar a cachoeira em um visual deslumbrante é uma sensação incrível. Confesso que deu medo ficar ali naquela pedra (a mesma da primeira foto do post), colocando a cabeça no vazio pra visualizar a lagoa que se forma com a água da Fumaça.

Ah, quase não acreditamos quando vimos um senhor que vende suco, água e refrigerante lá no alto. O delicioso suco de maracujá caseiro que comprei por R$ 7 ajudou a me acalmar pra eu poder apreciar melhor a vista. Também dá pra aproveitar e beber água ou caldo de cana durante a trilha, pois vários vendedores ficam estrategicamente colocados para atender aos visitantes - o que também indica que você está no caminho certo.

Durante a subida pra Cachoeira da Fumaça. Ao fundo, o Morrão
Existem três pontos estratégicos para ver na Cachoeira da Fumaça: o primeiro é lá do alto, onde tem a pedra de onde é possível ver a lagoa lá embaixo. O segundo, é o rio que dá origem à cachoeira. Não tivemos coragem de arriscar andar por dentro da água pra ver o início da queda, mas tem gente que vai. O
O rio que dá origem à Cachoeira da Fumaça
terceiro, é de quase de frente pra cachoeira, como mostra a foto com as duas meninas acima.

Também nos aventuramos no mato com nossa filha Duna, de apenas 1 ano, para conhecer a cachoeira da Ponte Velha que fica no Rio Preto. Lindo, mas leve repelente! Duna também apreciou o banho de cachu no Riachinho e o por do sol do alto do Morro do Pai Inácio.

Aliás, o por do sol no Morro do Pai Inácio é imperdível. Pagando R$ 5 de ingresso e superando uma subida moderada de uns 15 minutos, você pode apreciar um belíssimo por do sol, com direito a paisagem deslumbrante e muita energia pra recarregar as baterias.
E o sol se põe. Visto do alto do Morro do Pai Inácio


Felicidade aqui é mato!
Ficamos apenas 6 dias no Capão e já planejamos voltar. Existe uma quantidade imensa de passeios e atrações para visitar. Queremos voltar o mais rápido possível para fazer o trekking do Vale do Pati. Conversamos com alguns guias que nos disseram que  esse é um dos melhores roteiros da Chapada
Diamantina.
Banho de rio na Ponte Velha
Existem várias possibilidades para fazer o trekking do Vale do Pati, geralmente se caminha por volta de 80 km num período que varia de 4 a 6 dias. As opções de iníco ou fim da trilha são variadas: Vila do Capão, Andaraí, Vila de Guiné ou Mucugê - cada trekker, juntamente com seu guia, vai definir a melhor forma de se explorar um dos mais belos cenários naturais do Brasil.

Segundo os guias, a caminhada tem subidas e descidas íngremes, mas também extensas áreas planas. Esse caminho é comparado ao de Santiago de Compostela, pois durante a trilha é possível apreciar paisagens lindíssimas e refletir sobre a vida, aproveitando o isolamento na natureza.

Paz, silêncio, energia positiva

Do alto do Pai Inácio dá pra ver os chapadões


Perdidos na mata, alegres depois de tomar banho de rio

Da janela lateral, do quarto de dormir
Dicas:

- No Vale do Capão não tem caixa eletrônico. Algumas lojas e restaurantes aceitam cartão, mas a maioria não. Leve dinheiro.
- Coma a pizza vegetariana, vendida tanto na Pizzaria Integral Capão Grande quanto na rua, ao lado da lojinha que vende coisas ciganas.
- Aos domingos, tem uma feirinha que vende verduras, frutas e etc - é tudo bem carinho, então, se puder e dependendo do tipo de hospedagem, leve uma comprinha básica.


*Todas as fotos são de Neblina Orrico/Ruthiere Carrijo. Peça autorização antes de usar. Obrigado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário