sábado, 28 de fevereiro de 2015

Cervezas más frias que el corazon de tu ex: un recorrido pelos butecos de Valpo

Cervejas geladas de verdade! 

Das cidades chilenas que conhecemos, Valparaizo - também conhecida como a Pérola do Pacífico - está com certeza entre as top five! Cidade portuária, alternativa, culturalmente atraente, é a sede do Poder Legislativo chileno. Distante de Santiago cerca de 120 km, é uma ótima pedida para quem quer conhecer o Pacífico e um pouco do modo de vida dos porteños chilenos.  


A cidade é assim: morros e casas, muitas e coloridas

Ficamos quatro dias agora em janeiro de 2015, hospedados no hostal do Alvaro e desfrutando da companhia dos amigos chilenos para desvendar as atrações de Valparaizo a partir de uma visão de quem vive na cidade. Dessa vez, é fundamental falar do recorrido de butecos que visitamos em um domingo maravilhoso de verão, com tempo aberto, bom humor, boa música, boas companhias e muita buena onda.



Caminhando por Valpo

Iniciamos nossa programação procurando por um lugar para tomar café da manhã. Como estávamos hospedados no Hostal del Alvarin (esse não é o nome oficial, quando eu souber, atualizo), descemos o Cerro Monja (o mesmo onde fica a Casa de Pablo Neruda)
procurando um lugar que aceitasse cartão, porque também não tínhamos pesos chilenos.

Grafite porteño


Caótico e lindo, assim é Valpo
Encontramos uma padaria/confeitaria simpática chamada Nora Haas, onde comemos as empanadas de pino (carne de boi, ovo cozido e azeitona preta) mais deliciosas da viagem. 

Depois disso, voltamos ao Hostal para acordar nossos anfitriões e começar as aventuras do dia.

Caminhamos do Cerro Monja até o Cerro Alegre, onde o agito cultural/artístico/musical/alternativo/butequeiro de Valparaizo é mais intenso. 

El Pimentón

Caminhando e gueveando (algo do tipo “sacaneando”, “brincando”) uns aos outros tentamos almoçar no El Pimentón, considerado a melhor picada de Valpo e onde se servem as melhores Chorrillanas do Porto. 




Chorrillana é um prato de batatas fritas, com uma camada de cebolas na chapa chafurdadas em ovos mexidos, sobre a qual se deita uma suculenta porção de lascas de carne frita. O caldo da carne e da cebola envolve as batatas, encharcando-as e deixando-as muito saborosas. Vale a pena experimentar. Nós queríamos muito comer a Chorrillana de lá, mas, infelizmente havia fila e lista de espera e tivemos de seguir adiante, pois não queríamos esperar. 

Paseo con vista para o Porto

Para alegria geral, encontramos na mesma rua do El Pimentón uma distribuidora de bebidas, essa que aparece na primeira foto, com “cervejas mais geladas que o coração do seu ex”. Alguns foram de cerveja, outros de água com gás. O importante é que todos hidratados, seguimos adiante.


Charquicán
Passeando pelos becos grafitados, coloridos e sujos da cidade quase paramos em um outro restaurante que tinha uma bela vista, mas era muito "rururu" (burguês/capitalista) pra gente. 

Decidimos andar mais um pouco e encontramos o delicioso Café con Letras, onde pudemos experimentar um prato típico super apropriado para pessoas que tinham passado a noite toda tomando vinho tinto, melão com vinho, cerveja escudo, cachaça brasileira e etc: o delicioso cura ressaca Charquicán. 

Se você tiver a oportunidade, experimente! É um prato bem caseiro, espécie de purê rústico de batatas, abóbora, cenouras, milho e ervilhas. A carne vem misturada ao purê, e é saborosíssima. Por cima, um ovo estrelado com a gema mole. Todos comemos e aprovamos. Foi ótimo comer uma comida tão deliciosa e saudável para quem passou a noite bebendo. A Duna, nossa filhota de 2 anos, que não estava de ressaca, também aprovou.


Café com Letras

Depois de nos alimentarmos bem e nos lambuzarmos com a sobremesa de churros com doce de leite e nozes maceradas, seguimos caminhando e agora já nutridos, decidimos continuar os trabalhos. Cerveja, vinho, cerveja, água...
Le Pató

Levamos nossa filhota numa apresentação de títeres (fantoches) no Teatro Museo. Foi muito bom, e valeu a pena. Se você estiver com crianças, como era nosso caso, veja antes a programação. É um teatro super bonito e bem localizado, com vista linda para o oceano.

Pasamos por um atelier de empanada e pães, chamado Le Pató, ainda no Cerro Alegre, e compramos algumas deliciosas empanadas para comer depois. Nesse lugar, você encontra pães e empanadas com diferentes recheios, sempre típicos, além de comida vegetariana. Vale a pena visitar e experimentar.

Descendo o Cerro Alegre, nos deparamos com um coletivo de poesia e música que fazia uma apresentação em uma praça. Cenário perfeito para o fim de tarde, com direito a por do sol e diversão para a criançada que corria em volta dos artistas que se apresentavam, dançando e curtindo o alto astral.
El Ritual: pisco sour pornô

O destino final foi "El Ritual", um bar especializado em pisco sour. Tinha pisco tradicional, pisco pornô (com gengibre e pimenta) e super pornô (com muito gengibre e muita pimenta). Todos deliciosos. 
Por do sol em um dos miradores da cidade

Duna estava dormindo, então aproveitamos bem. Outros, dormiram lá mesmo. 
Pra mim, duas coisas sensacionais sobre esse bar: cada pisco sour, pornô ou não, era único. Preparado especialmente para o cliente. E estava delicioso. Cada um deles. 

Outra, foi a tirada do garçom quando alguém da nossa mesa pediu uma água: "posso trazer um copo com água da torneira, muito bem servido. Mas, não temos água para vender aqui, porque isso aqui é um BAAAAAAAAAR!", fez questão de ressaltar o senhor de uns 50 anos que depois veio perguntar de que parte do Brasil éramos nós. Super simpático e atencioso.
Praia de Viña del Mar

Nesse simpático bar também comemos uma pizza vegetariana que estava simplesmente deliciosa! O cardápio tem ainda outros petiscos e drinques interessantes como o vinho com frutas e o terremoto.



Estivemos novamente no J. Cruz, mas a Chorrillana de lá deixou a desejar

Também deu pra dar uma volta em Viña e pegar uma praia. Afinal, janeiro é verão. Para chegar em Viña é super fácil. Basta pegar um ônibus na rua que fica em frente a costaneira (se tiver dúvidas, pergunte) ou o metrô de superfície.


Viña del Mar: calor, sol e praia

Ascensor La Reina
Dentro do ascensor
Valparaizo contabiliza cerca de 42 cerros. Para subir os cerros, também é possível pegar um ônibus ou os famosos ascensores. São 15 ascensores no total, todos declarados patrimônio nacional. Alguns são públicos e outros privados, por isso você pode encontrar diferença no preço da tarifa, mas não se preocupe, pois não custa mais do que R$ 2.


Vista do Porto a partir do Cerro Alegre

Outro bar/restaurante que queremos indicar é o Pajarito. É um bar rústico, com uma decoração de pássaros de origami, muito alto astral. Tem grande variedade de cervejas, michelada e comida caseira. Também serve hamburgueres vegetarianos. Fica perto da Praça Victoria e é muito bom. Nele, experimentamos outro prato típico muito bom: Porotos a Pancho Vila.


Bar/Restaurante Pajaritos



Dicas:

  • Consulte a programação do Teatro Museo del Titere y del Payaso: http://teatromuseo.cl/
  • Casa de Pablo Neruda em Valpo, La Sebastiana: http://www.fundacionneruda.org/es/la-sebastiana/informacion-visita
  • Como ir a Valparaizo desde Santiago: você pode contratar uma excursão ou ir de ônibus. Para isso, basta ir ao Terminal Alameda (em frente à estação do metrô Universidad de Santiago – linha 1 vermelha). Procurar os ônibus da Turbus ou Pullman, que saem a cada 15 minutos. O trajeto demora cerca de 1h30.
  • Café con Letras: Almirante Montt 316, Cerro Concepción, Valparaiso, Chile.
  • Bar/restaurante Pajarito: Perto da Plaza Victoria, Salvador Donoso, 1433, Valparaiso, Chile.


Leia mais: 


*Todas as fotos são de Neblina Orrico/Ruthiere Carrijo. Peça autorização, antes de usar. Obrigado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário