quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Belo Horizonte ou "Belzonte": início da nossa roadtrip pelas Minas Gerais

Uma road trip pelo Brasil é sempre uma aventura! E foi em busca de aventura que aproveitamos as férias de julho para conhecer um pouco da história e belezas das Minas Gerais, em mais uma excursão da nossa banda, sempre com formação completa: Ruthiere, Duna e Neblina.

Saímos de Brasília num sábado bem cedo e chegamos em Belo Horizonte no fim da tarde. Viagem tranquila, com estrada muito bem cuidada e um recorde de 7 pedágios! Tudo bem que a estrada tava boa, sem buracos e tals, mas com tanto pedágio, bem que ela podia ser duplicada em toda a sua extensão, de BsB até BH, né?.


Rio São Francisco, perto da Represa de Três Marias
Paramos para almoçar na beira do Rio São Francisco, ao lado da represa de Três Marias, no restaurante que fica do lado esquerdo, embaixo da ponte aí da foto e cujo nome não me lembro. :)

Depois do almoço, continuamos com a importante ajuda do Waze e Google Maps e chegamos em BH por volta de 17h. O hotel Tulipp Inn foi uma ótima escolha. Quarto grande, aconchegante e colocaram um berço pra Duna.


Pão de Queijaria
Nossas opções para o sábado à noite eram muitas. Na Savassi, onde ficamos, tinha muito lugar bacana pra conhecer. Como estávamos cansados da viagem e com fome, fomos de Pão de Queijaria. E foi ótimo! Que lugar delicioso! Tudo feito com muito carinho e cuidado. A fome era tanta que não lembramos de fotografar a comida, mas registramos nossa passagem por lá tirando foto dos maravilhosos queijos que abastecem a produção dos pães de queijo! Atendimento atencioso, com o dono do lugar passando de mesa em mesa pra saber se estava tudo em ordem.


Queijos, principal ingrediente das delícias 



DOMINGO
Igrejinha da Pampulha
No domingo pela manhã, fomos conhecer a famosa Lagoa da Pampulha. Com mapas e rotas em mão, saímos do hotel decididos a conhecer o máximo possível. Ficou só na decisão mesmo. O deslocamento do hotel até a Pampulha demorou uns 30 minutos de carro. Domingão, céu azul, e a Pampulha? Lotaaada. Difícil estacionar, vias bloqueadas para uma corrida de rua...calor!


Mais igrejinha

Mas, chegamos. Paramos o carro perto da Igrejinha de São Francisco. E começamos o rolê. Isso já era umas 10h. Tínhamos lido que o melhor era visitar a Igrejinha e seguir contornando a lagoa até o Zoológico, que tem um aquário enorme com peixes de rios da região.


É nóis na igrejinha

Ficamos por ali, admirados com a beleza da igrejinha, considerada a obra mais bonita da Pampulha de autoria de Oscar Niemeyer. E é, viu!? Bonita demais. A igreja foi o último edifício inaugurado na Pampulha e Niemeyer realmente caprichou. Na hora que a gente chegou tava tendo missa. Lotada. Tiramos algumas fotos, admiramos a vista, demos uma voltinha.


Linguiça, torresmo e pinga (e um suco de laranja no fundo)
Mas, não deu vontade de andar muito mais naquele solzão. Perto de meio-dia, pegamos o carro e fomos para nosso segundo destino do dia: o restaurante Xapuri.

Quero dizer uma coisa: vale a pena! O Xapuri fica perto da Pampulha, uns 10 minutos de carro. Num lugar super bucólico, clima de fazenda mesmo. Tem brinquedos pras crianças, música ao vivo e comida boa! Muito boa!

Seguindo as dicas de blogs amigos, no domingo à noite estivemos no Café com Letras da Savassi, onde sempre rola um jazz bacana a partir das 19h30. Essa é uma boa dica pra quem estiver hospedado na Savassi, pois domingo à noite, muitos restaurantes de BH fecham. Lá, experimentamos um menu delícia: hamburgueres super diferentes, um era de abóbora e outro de salmão cru. Além da música boa, ainda pudemos levar alguns livros infantis para a mesa e já que estávamos numa vibe boa, ainda brincamos com os brinquedinhos de madeira que eles disponibilizam para as crianças.


Café com Letras

Continua nos próximos capítulos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário