sexta-feira, 11 de novembro de 2016

4º dia - Povoados do norte de Jujuy: Uquia, Huacalera, Humahuaca e a bela Cerranía Hornocal





San Francisco Solano y su bendición al medio dia

Na igreja de Uquia, quadros-relíquia: Los Ángeles Arcabuceros
Em busca da benção de San Francisco Solano e do brilho do incrível e insuperável Cerro de los 14 Colores, fomos conhecer os povoados mais ao norte da Quebrada de Humahuaca, no departamento de Jujuy, noroeste argentino.

Estávamos de carro, e aproveitamos a oportunidade desse quarto dia em Jujuy para conhecer vários povoados no caminho.

Passamos pelo povoado de Uquía e paramos para apreciar as belas obras de arte que estão dispostas na não menos bela igreja da cidade.

A igreja San Francisco de Paula, em Uquía, foi construída no século XVII, por volta de 1690. Dentro, você vai encontrar uma preciosidade: uma série de 8 quadros que representam anjos trajados para a guerra. São obras que datam do período de construção da igreja e que, segundo nos informou a senhora que cuidava do local quando estivemos lá, fazem parte da escola cuzqueña de arte.

Na pequeníssima praça em frente à igreja (creio que em todas as praças dessa região), há uma pequena feira de artesanato com toda aquela arte típica e colorida dos Andes.

Recomendo sempre dar uma olhada e, se gostar de alguma coisa, não deixe passar a oportunidade, pois fora da Quebrada de Humauaca os preços desses artesanatos são bem, beeeemmm mais caros.

Antes de Uquia, passamos por Huacalera e pelo trópico de capricórnio (isso mesmo, o trópico corta essa região bem aqui) e eram tão singelos quase nem os percebemos e nem paramos.


Cabildo de Humauaca
Já na cidade de Humahuaca, tínhamos o compromisso de às 12h em ponto estar na praça que fica em frente ao cabildo (prefeitura), para receber às bençãos de San Francisco Solano. E cumprimos com nossa meta! Às 12h estávamos lá quando o santo de madeira, apareceu e por 90 segundos abençoou toda aquela multidão que esperava por sua graça.


A magnífica Cerranía Hornocal - Cerro de los 14 colores!
Abençoados, passeamos ali por perto, olhamos os artesanatos (que estavam mais caros do que nas vilas pelas quais tínhamos passado), visitamos o monumento aos heróis da independência argentina que lutaram naquela região e almoçamos muitíssmo bem em um restaurante local, que servia uma língua picante deliciosa!
Muito vento a 4.350 metros de altitude

Como já estávamos devidamente abençoados, descansados e de pança cheia, seguimos em direção à fantástica Cerranía Hornocal. São alguns quilômetros, percorridos em pouco menos de 1h por uma estrada de terra.

Não é difícil chegar até ao mirante: logo depois da ponte, virar à esquerda e seguir as placas. Se tiver com o tempo bom, sem chuva, é possível ir em carro comum. Maltrata um pouco o carro, mas...vale muito a pena!


Duninha sofreu com o vento e o frio
Lá em cima, bem lá no alto, a 4.350 metros de altitude, o visual é tão exuberante que é difícil parar de contemplar! Mesmo com o frio e o vento. Ressalto: muito vento e muito frio. Leve agasalhos. Se tiver um corta-vento, leve-o. Luvas, gorro, leve tudo.


Uhuuuu!!!!

Em outubro, em todas as cidades da Quebrada de Humahuaca, pegamos muito frio (sensação de 1ºC) na parte da noite, principalmente, com muito vento. Alguns dias, também fez muito calor. Então, é bom estar preparado para essas variações térmicas, ora frio, ora calor. Sempre levar para os passeios muita água, um lanche, um casaco e protetor solar.


Uhuuuuuu 2!
Na volta para Tilcara, bateu aquele clima de fim de festa na Quebrada, pois no dia seguinte rumaríamos para Cafayate, e para comemorar: Peña de Carlitossss!!! Mas era terça-feira. E terça eles não abrem! :(

Fomos então ao super bem indicado restaurante El Patio de Tilcara. Infelizmente, não foi o que esperávamos. Foi a única comida mais ou menos da viagem, então, não indico.



Nóis na estrada!

Leia mais: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário